Recado a Ditadores

No seu primeiro discurso de aniversário da implantação da República em Portugal, em 5 de Outubro último, o presidente Marcelo Rebelo de Sousa usou palavras fortes e inequívocas para definir a essência do poder republicano em Democracia. Numa linguagem extremamente clara e directa, o Rebelo de Sousa fez notar que “todo o poder é temporário” e que, em República e em Democracia, ele só pode mesmo ser temporário. Para o líder português, essa limitação temporal é o cerne da mensagem ética que sustenta o conceito de República. Mais directa ainda foi a sua constatação de que, numa República, por oposição ao que se passa numa Monarquia, “o poder não se transmite por herança nem comporta a escolha do sucessor”. Em República, disse Marcelo Rebelo de Sousa assinalando os 106 anos da República Portuguesa, “todo o poder político é limitado pelo controlo dos outros poderes e sempre pelo povo”. Numa declaração […]

Read more

Senhor Feudal e Presidente: A Dupla Personalidade de Dos Santos

No seu discurso sobre o Estado da Nação, proferido em 15 de Outubro passado, o presidente da República, José Eduardo dos Santos incentivou a acumulação primitiva de capital em África. Segundo o presidente, referindo-se à emergência e desenvolvimento do capitalismo nos países ocidentais, “a acumulação primitiva de capital que tem lugar hoje em África deve ser adequada à nossa realidade”. É fundamental, para melhor entendimento do discurso e da mentalidade do presidente, começar por rever o conceito de acumulação primitiva de capital, conforme definido por Karl Marx. O presente texto contextualiza a referida teoria no momento actual. E, por último, desmistifica as intenções do presidente José Eduardo dos Santos para Angola e África, em geral. De acordo com Karl Marx, a acumulação primitiva de capital foi o processo ocorrido na Europa dos Séculos XVI a XVIII, baseado na expropriação violenta de terras, de modos de produção familiar e artesanal e […]

Read more

Feudal Lord and President: Dos Santos’s Dual Personality

In his State of the Nation address on October 15, Angolan President José Eduardo dos Santos encouraged primitive capital accumulation in Africa. Making reference to how capitalism emerged and developed in western countries, Dos Santos said, in his speech, that “the primitive capital accumulation taking place in Africa today must be befitting of our reality”. To understand this speech and the President’s way of thinking, we need to go back to the concept of primitive capital accumulation as defined by Karl Marx. This essay puts the theory into today’s context, so as to demystify what it is that Dos Santos wants for Angola and for Africa in general. Primitive accumulation was the name that Marx gave to the process that occurred in Europe between the 16th and 18th centuries, involving the violent expropriation of land and of goods that belonged to peasants and to craftsmen. In depriving the majority of […]

Read more