A (Im)popularidade e o Sucesso de Dos Santos

Dos Santos Impopular

O acto político e cultural do MPLA, realizado no passado sábado, 23 de Junho, no Estádio 11 de Novembro, continua a merecer várias leituras políticas causadas, sobretudo, pela propaganda oficial. Em termos mediáticos, a realização do acto visava demonstrar a popularidade do candidato presidencial do MPLA, José Eduardo dos Santos.

Desde Março de 2011, a imagem do presidente do MPLA e da República tem sido abalada pelos simbólicos e sucessivos protestos de um punhado de jovens, que têm exigido a sua demissão, após 32 anos no poder. O significado destes protestos assenta na conjuntura internacional, sobretudo da África do Norte, onde três ditadores – Ben Ali, Mubarak e Qaddafi – foram depostos pela força de protestos populares.

Inicialmente, o MPLA reagia com contramanifestaçãos, como a de 5 de Março de 2011, em que mobilizou mais de cem mil pessoas, num investimento de muitos milhões de dólares. Esta reacção foi causada pela primeira manifestação contra o chefe de Estado, convocada por anónimos, para 7 de Março do ano transacto, e que contou apenas com a presença de 12 jovens, incluindo jornalistas. Na prática, o MPLA reagiu contra um moinho de vento.

Impraticável, a estratégia de mobilização popular contra os críticos foi substituída pela repressão simples e dura.

A 19 de Junho, o primeiro secretário provincial de Luanda do MPLA, Bento Bento, considerou o comício de homenagem a José Eduardo dos Santos, por ser o candidato presidencial do MPLA, como um “verdadeiro teste” à capacidade de mobilização do MPLA.

Os métodos usados na mobilização envolveram a coacção de funcionários públicos, o encerramento de mercados e a obrigação de os vendedores participarem no acto, para além da utilização abusiva dos meios de comunicação social do Estado para efeitos de propaganda partidária. No entanto, importa apenas analisar a moldura humana presente no estádio e o seu tratamento mediático pela comunicação social pública.

A Angop reportou que o estádio, com capacidade para 50 mil pessoas, estava quase lotado, pouco antes de o presidente ter abandonado o recinto, ao meio-dia.

Na notícia seguinte, poucas horas depois, a Angop referiu que “o ponto mais alto do acto político foi marcado pela leitura do excerto da resolução do Comité Central do MPLA, que aprovou, por unanimidade e aclamação, a indicação do presidente José Eduardo dos Santos como cabeça de lista do partido às próximas eleições gerais”.

Por sua vez, o zeloso Filomeno Manaças, do Jornal de Angola, sobre o acto escreveu: “o banho de multidão que se fez presente para ovacionar o cabeça de lista do MPLA, o engenheiro José Eduardo dos Santos, é por si só notícia em qualquer parte do mundo e não pode deixar de ser referido como algo simplesmente impressionante”. Entusiasmado, Filomeno Manaças assegurou que “as bancadas e o relvado do Estádio 11 de Novembro foram ontem milimetricamente preenchidos. Sem espaço para mais gente, o estádio esteve abarrotado por dentro e por fora. À volta do 11 de Novembro, permaneceram tantas ou mais pessoas do que estavam no seu interior”.

Por certo, o MPLA acabará por resolver a contradição nas descrições dos órgãos de comunicação social estatais, ao seu exclusivo serviço. A Angop disse que o estádio estava quase lotado, Manaças viu o abarrotamento milimétrico do mesmo, por dentro e por fora.

O comício não se realizou porque a multidão presente no estádio devia, em princípio, ter-se juntado aos poucos jovens que, no exterior, vibravam com o desfile de alguns dos mais populares cantores da actualidade. O presidente não teve o banho de multidão que se pretendia, e por isso não dirigiu sequer umas palavras de agradecimentos aos presentes.

Sobre as multidões, o MPLA não precisa de provar a sua capacidade pela via da mobilização. Com perto de 37 anos de poder, o MPLA tem demonstrado a sua capacidade em manter o controlo do Estado e da maioria do povo. Pela mesma via, com praticamente 33 anos de presidência, José Eduardo dos Santos bem pode dispensar o culto da personalidade. É inegável a sua influência sobre gerações de angolanos e o estado actual de Angola. Este é o país de Dos Santos.

Estranha é a forma como o MPLA transforma a enchente de um estádio em paradigma de afirmação da popularidade do seu candidato, sobretudo quando o faz depender de cantores.

Porquê?

Em 2010, o cantor Yannick Ngombo “Afroman” encheu o Estádio dos Coqueiros para o seu primeiro grande show, sobretudo por via do boca-a-boca. Paulo Flores, já consagrado, também obteve lotação esgotada no espectáculo comemorativo dos seus 20 anos de carreira. As pessoas pagaram, e bem, para vê-los.

No ano passado, os rappers de protesto MCK e Kid MC atraíram, cada um, cerca de dez mil pessoas na Praça da Independência, apenas para sessões de venda e autógrafos dos seus mais recentes trabalhos discográficos. A Polícia Nacional teve de enviar a brigada canina e um helicóptero de reconhecimento para garantir a ordem na actividade de Kid MC, tal era a agitação dos fãs.

Os músicos da nova geração têm conquistado um espaço de influência cada vez maior no cenário político nacional. Por exemplo, durante uma actividade do MPLA, na província do Kwanza-Norte, o governador Henriques Júnior teve de pedir ao cantor Nagrelha, dos Lambas, que se mantivesse com ele no palco, enquanto proferia o seu discurso. Após Nagrelha ter cantado, a multidão do MPLA começou a abandonar o local, sem interesse em ouvir o governador. Como incentivo, para o ouvirem, teve de firmar a promessa de que, depois do discurso, haveria mais Nagrelha.

Todavia, para quem esteve no estádio e acompanhou o evento do passado dia 23 sem os óculos da propaganda, tratou-se de um sucesso. Mas não pelas razões enunciadas quer pelo MPLA quer pela ensurdecedora campanha da TPA e da RNA.

Primeiro, foi um sucesso porque o número de presentes continua a ser impressionante, apesar do visível declínio na capacidade de mobilização do MPLA, comparado, por exemplo, com a marcha de 5 de Março de 2011. Desde então, tem havido uma maior tomada de consciência sobre a realidade do país. A sociedade em geral entende, hoje, que o poder do presidente José Eduardo dos Santos é actualmente definido pelo saque do património do Estado, pela ganância desmedida dos dirigentes familiares e seus sócios, que continuam a arrecadar fortunas, de forma ilícita, em detrimento do bem-estar do povo angolano. Nos comícios realizados pelo presidente, a 9 de Março na Lunda-Norte e a 4 de Abril no Moxico, os militantes vaiaram-no pelo discurso que proferiu. Nas Lundas, ficou célebre, pela negativa, o seu discurso segundo o qual as receitas dos diamantes nem sequer servem para reparar troços de estradas. No Moxico, falou da felicidade dos locais por terem escolas, água e electricidade, sem ter verificado a realidade, de modo que a população se sentiu ofendida.

Segundo, foi um sucesso porque a falta de entusiasmo dos próprios militantes revelou uma maior tomada de consciência sobre a realidade do país. Essa realidade estava bem patente nas tendas de luxo montadas para acomodar os membros da elite do MPLA, enquanto o povo devia contentar-se em lutar para conseguir nacos de carne dos espetos de boi que assavam inteiros, por detrás das tendas, para alimentar o “povo heróico e generoso”. Em algumas viaturas, as pessoas andavam às cotoveladas para conseguirem pedaços de carne fresca.

Por sua vez, um presidente popular não precisa de instrumentalizar artistas para garantir audiência. Vale-se pelo seu discurso. A questão é esta. Qual é o discurso do presidente para o povo? No Estádio 11 de Novembro, o discurso do presidente foi o silêncio. Como pode interpretar-se este silêncio? Eis a segunda questão.

É de reconhecer, em tudo isso, a extraordinária capacidade do presidente em antecipar-se aos eventos. A eliminação das eleições presidenciais a favor da introdução do sistema eleitoral antidemocrático do cabeça de lista, nas legislativas, permite a Dos Santos evitar o julgamento popular directo nas urnas. Vai a reboque do MPLA. Resta saber se o atrelado é seguro e quais os riscos que a sua pessoalização do partido acarretam para o futuro do MPLA.

Comentários