O Erro da China em Angola

Quando as linhas de crédito chinesas começaram a surgir em Angola, foram consideradas uma benesse para o país e para o continente africano. Politicamente, os chineses não se imiscuíam nos assuntos internos, e economicamente a sua aproximação era muito competitiva. Uma lufada de ar fresco depois das múltiplas explorações das potências coloniais e ocidentais. A intervenção chinesa obedecia àquilo a que se chamou o “Modelo Angolano”. Este modelo começava com um empréstimo de vários biliões de dólares a taxas de juro muito baixas, concedido ao governo de Angola pela China. De seguida, o governo de Angola usava esses empréstimos na construção de infra-estruturas que eram adjudicadas a empresas chinesas. Finalmente, os empréstimos eram pagos por Angola à China em petróleo ou minerais. Tom Burgis, o jornalista do Financial Times, descreve detalhadamente a situação no seu livro “A Pilhagem de África.” Este modelo foi replicado pela China, um pouco por toda […]

Read more

Falta Papel Higiénico na Sonangol

Num edifício de luxo, que custou perto de US$ 400 milhões — valor exorbitante a que não são alheias sobrefacturações alucinantes — os funcionários deparam-se com uma realidade insólita. Há falta de papel higiénico nas casas de banho, excepto no 18º, 19º e 20º andares, onde funcionam, respectivamente, o bando de consultores estrangeiros, o conselho de administração e a presidente do conselho de administração da Sonangol, Isabel dos Santos. É a crise. “Agora, cada funcionário tem de levar o seu papel higiénico de casa. A Sonangol não paga aos fornecedores e temos crise de papel higiénico”, diz-me uma funcionária, cabisbaixa e com um sorriso de resignação. A Sonangol tem sido o sustentáculo do Estado, do regime do presidente José Eduardo dos Santos e da economia nacional, que depende em quase-exclusivo do petróleo. No continente africano, Angola é, a par da Nigéria, o maior produtor de petróleo. Por mais que o […]

Read more

Os Gémeos Eduardo dos Santos

No dia 23 de Agosto de 2001, cinco dias antes de celebrar 59 anos, o “gémeo” José Eduardo dos Santos surpreendeu o Comité Central do MPLA e, consequentemente o país, com o anúncio de que o candidato do MPLA às próximas eleições (que se realizariam apenas sete anos depois, isto é, em 2008) não se chamaria José Eduardo dos Santos. Para convencer a atónita plateia, o “gémeo” argumentou com uma afirmação que ficou para a história: “A minha geração já cumpriu o seu papel. (…) quer elas [eleições] se realizem em 2002 quer em 2003, teremos um ano e meio ou dois anos e meio para que o partido possa preparar o seu candidato para a batalha eleitoral e é claro que esse candidato desta vez não se chamará José Eduardo dos Santos”. No dia 17 de Novembro de 2011, após celebrar a respeitável idade de 69 anos, o outro […]

Read more
1 2