Mortes em Confrontos entre Militantes da UNITA e do MPLA

Confrontos MPLA UNITA 1

Por António Capalandanda e Rafael Marques de Morais:

Nos últimos meses, a violência política entre militantes do MPLA e da UNITA tem aumentado de forma preocupante nas províncias do Huambo e de Benguela, duas praças eleitorais de extremo simbolismo político para as duas maiores forças políticas nacionais.

A escassa cobertura mediática e a falta de diálogo, ao nível da sociedade, sobre a crescente tensão, prenuncia um clima de maior desconfiança entre os cidadãos e de medo face às eleições de 31 de Agosto e ao que se lhes seguirá.

Maka Angola traz a lume alguns dos mais recentes incidentes, para que a sociedade possa estar mais bem informada sobre os focos de tensão existentes e saiba que tanto os militantes do MPLA como da UNITA, em particular as suas lideranças, têm responsabilidades acrescidas no fomento da estabilidade política e na manutenção da paz.

A província do Huambo registou três incidentes graves em dois dias. A 16 de Julho, um grupo de militantes do MPLA atacou, com catanas, paus e pedras, uma caravana de militantes da UNITA, no sector do Ndumbo, comuna do Lépi, município do Longonjo. Durante a emboscada na via, segundo o secretário para a informação do comité provincial da UNITA no Huambo, Emanuel Malaquias, os militantes do MPLA queimaram duas motorizadas das dez que faziam parte da caravana, e feriram três elementos da UNITA, enquanto um quarto se encontra desaparecido. Os militantes da UNITA, por sua vez, recorrendo ao mesmo tipo de armas brancas, feriram quatro activistas do MPLA. A UNITA pretendia reinstalar o seu comité na referida localidade e, apesar de ter conseguido hastear a sua bandeira, esta foi queimada no dia seguinte.

Dois dias antes, a 14 de Julho, por volta das 16h00, cerca de 50 militantes do MPLA, munidos de catanas, pedras, paus e outros objectos contundentes, atacaram uma comitiva da UNITA à entrada da comuna do Mbave, município da Tchicala-Tcholoanga, que aí pretendia reinstalar o seu comité comunal. Segundo várias testemunhas oculares, o administrador comunal do Mbave, Abel Chico, dirigiu pessoalmente os atacantes, enquanto Lucas Junjuvili, secretário municipal da UNITA, liderava os seus militantes.

Dos confrontos resultaram ferimentos em sete indivíduos afectos à UNITA, incluindo o secretário para a organização do comité municipal, Cambumbanje, atingido na cabeça com uma catanada. Os defensores do partido no poder incendiaram três motorizadas que faziam parte da caravana, composta por cinco viaturas e várias motorizadas. Do lado do MPLA registaram-se oito feridos.

O secretário para a informação da UNITA no Huambo, Emanuel Malaquias, referiu que militantes da sua organização confirmaram a morte de dois militantes do MPLA no local, em resultado de ferimentos graves, e tomaram conhecimento da alegada morte de um terceiro, no dia seguinte, no hospital central do Huambo. Fontes do MPLA e autoridades locais escusaram-se a falar sobre o assunto, que passou a ser tratado com secretismo.

A batalha campal durou quatro horas, tendo terminado perto das 20h00, com a intervenção pessoal do comandante municipal da Polícia Nacional e da administradora de Tchicala-Tcholoanga, Luísa Ngueve. Estes “aconselharam a UNITA a retirar-se do local e a não realizar o evento”, referiu Emanuel Malaquias.

A 11 de Julho, a UNITA procedeu à entrega de documentos, referentes à actividade que pretendia realizar, directamente à administradora municipal da Tchicala-Tcholoanga, ao comando local da Polícia Nacional e à delegação dos Serviços de Inteligência e Segurança do Estado (SINSE).

De forma estranha, a liderança provincial do MPLA, bem como as autoridades locais, continuam a manter silêncio sobre o assunto, em particular sobre as três alegadas mortes ocorridas como resultado da contenda entre apoiantes dos dois principais partidos. Maka Angola prossegue com as investigações para apuramento da identidade de todas as vítimas.

Na localidade de Vila Franca, comuna do Alto-Hama, município do Londuimbali, militantes do MPLA e da UNITA protagonizaram também confrontos a 14 de Julho, sem, no entanto, se terem registado feridos graves ou a destruição de propriedades.

Em Benguela

Confrontos entre militantes da UNITA e do MPLA, na comuna da Capupa, município do Cubal, resultaram em duas mortes e num número total de feridos ainda por determinar. Até ao momento, as entidades oficiais mantêm silêncio sobre o incidente de 12 de Julho passado.

Segundo testemunhas locais, os confrontos tiveram início quando militantes do MPLA tentaram impedir a realização de um comício da UNITA.

Efectivos da Polícia Nacional na Capupa não confirmaram a ocorrência de mortes, mas testemunhas oculares revelaram ao Maka Angola o ferimento grave de dois militantes do MPLA durante a luta, tendo ambos sucumbido mais tarde.

Segundo depoimento ao Maka Angola de um dos militantes envolvidos nos confrontos, Armando Nunda, o seu grupo manteve “sob custódia”, durante uma hora, um agente policial que se encontrava entre os activistas do MPLA que lançaram o primeiro ataque contra os adversários políticos, com catanas, paus, garrafas e pedras.

“Quando nós vimos o grupo [do MPLA] a atacar-nos, e o homem da polícia entre eles, pegamo-lo para amanhã não nos chamarem de mentirosos”, explicou Armando Nunda. O político da UNITA sublinhou que “ele [o agente da polícia] não foi batido. Apenas serviu de prova do seu envolvimento no acto”. Com a chegada de reforços policiais da sede do Cubal, os dirigentes da UNITA entregaram o agente aos seus superiores.

Antes dos incidentes, segundo depoimentos prestados sob anonimato por alguns dos agressores, os militantes do MPLA alegadamente receberam orientações directas do administrador comunal da Capupa, Estevão Tchipeio, que reactivou a antiga defesa civil para impedir a acção política de membros da oposição.

Fontes locais afirmaram que, durante um encontro com militantes do MPLA, o administrador Estevão Tchipeio, em atitude machista, prometeu “usar saias” caso a UNITA seja bem-sucedida em implantar-se na Capupa.

A 13 de Julho, o governador de Benguela, general Armando da Cruz Neto, convocou o secretário provincial da UNITA, Alberto Ngalanela, para discutir os incidentes. Após a reunião, o governador deslocou-se à Capupa para acompanhar de perto a situação, tendo enviado, como medida preventiva, uma companhia das Forças Armadas Angolanas e helicópteros, para além de uma presença considerável de efectivos e meios da Polícia Nacional, incluindo a Polícia de Intervenção Rápida (PIR).

Segundo Márcia Lucanda, ministra-sombra para a Probidade Administrativa e Combate contra a Corrupção, no local, acompanhada por uma equipa de jornalistas, “o governador acusou a UNITA de ter invadido as lavras dos aldeães locais para roubar tomate, cebola e couves, quando na realidade só havia uma horta do outro lado do rio Cuporolo. Há uma estiagem em Benguela e praticamente nessa região as lavras estão completamente secas. O nosso pessoal tinha alimentação e inclusive abatemos duas cabeças de gado no Cubal e levámos a nossa carne”, afirmou.

Segundo a dirigente da UNITA, após a visita, “o governador disse-nos que tinha deixado orientações expressas para haver uma separação estanque entre os militantes do MPLA e da UNITA. Não foi lá educar a população para aceitar a tolerância”.

Como medida de contenção, a PIR criou um cordão de segurança para manter os militantes do MPLA na vila, enquanto os militantes da UNITA tinham de permanecer fora dela, sob protecção de agentes da Polícia Nacional para a ordem pública.

Apesar do clima de tensão, o comício realizou-se no sábado passado, presidido por Márcia Lucanda.

Durante o evento, activistas do MPLA tentaram invadir a zona reservada para o comício da UNITA, tendo sido impedidos pelos efectivos da PIR de consumarem outro acto de violência. Os membros da UNITA assistiram ao comício munidos de catanas, machados, paus e pedras, com o argumento de que assim agiam “em legítima defesa”.

O secretário provincial da UNITA, Alberto Ngalanela, aproveitou a ocasião para denunciar a crescente onda de intolerância política no país. “A UNITA vai bater-se por uma democracia inclusiva. As mortes, em tempo de paz, não se justificam”, disse o político.

Entretanto, fonte policial na Capupa revelou a abertura de uma investigação sobre os incidentes e a consequente responsabilização criminal dos seus autores.

A 9 de Abril passado, na mesma localidade, oito indivíduos devidamente identificados como membros da extinta Organização de Defesa Civil (ODC) invadiram a residência de um político da UNITA, Manuel Lourenço, raptando-o e espancando a sua esposa. Passados dois dias, Manuel Lourenço foi encontrado por populares, já moribundo e com visíveis sinais de tortura violenta por todo o corpo, abandonado na via, a oito quilómetros da sua aldeia, Caipumba. Por coincidência, a Polícia Nacional surgiu no local pouco depois e transportou-o para o hospital, mas Lourenço morreu durante a viagem. A Polícia Nacional deteve quatro dos raptores, mas não há informação de que o caso tenha prosseguido por via judicial. Na ocasião, a Polícia Nacional justificou publicamente a morte como resultado de um desentendimento familiar.

Intolerância em Kasseque

Para além de Capupa, a comuna de Kasseque, a cerca de 70 quilómetros do município da Ganda, também registou incidentes. A 20 de Junho, o conflito deflagrou quando um grupo de mais de cem indivíduos afectos ao MPLA atacou uma caravana da UNITA composta por 86 elementos, que se deslocava à referida localidade para uma actividade política.

“Ao terem parado na aldeia de Kalongolo, a quatro quilómetros de Kasseque, para mobilização da população, os membros locais do MPLA apareceram e começaram a agredir com pedras, barras de ferro, paus e pedras os seus adversários políticos”, disse na altura Alberto Ngalanela.

Tiago Eurico, membro da juventude da UNITA (JURA), foi atingido com uma catana no braço esquerdo, tendo perdido dois dedos. O secretário municipal da JURA, Martinho Vitãyi, sofreu sérios traumatismos na cabeça e no peito, por ter sido atacado à pedrada, e foi transportado para o hospital.

Por sua vez, militantes da UNITA feriram de forma fatal um militante do MPLA que, segundo vários testemunhos, acabou por morrer no local e ser imediatamente evacuado pelos seus companheiros. Informações não confirmadas junto do MPLA dão conta da morte de um segundo militante no hospital central de Benguela, onde deu entrada com ferimentos graves. Tanto em Kasseque como em Benguela, as autoridades remeteram-se ao silêncio sobre as vítimas.

Comentários